domingo, 29 de março de 2015

Meu caminho foi desviado,as estradas que delimitei estragaram,fui obrigada a seguir por outras trilhas.
Minha evolução levou-me para outras paisagens,isso me fez crescer,mas ao mesmo tempo dói.
Há algo de estranho nessa nova estrada,pessoas diferentes,línguas que não conheço,solidão em meio a tanta gente.
Não é essa a estrada,que imaginei.
Imaginei ir em bando,mas caminho só.
Muitos vão a minha frente,muitos atrás,poucos ao meu lado.
Agora não entendo,sofro,mas sei que não é por acaso.
Talvez eu não esteja tão só.
Talvez haja muitos bons espíritos ao meu lado,meu anjinho da guarda,juntinho a mim.
Estou só,mas não sinto agora o peso da solidão,o céu está lindo,a curva é um limite.
Sei,que há ainda um longo caminho,mas que poderá ser interrompido a qualquer momento para um cafezinho,um sorriso ou até mesmo para mudar o rumo da caminhada.
Assim sendo,eu aceito,mas o que eu puder melhorar e mudar assim o farei.
Que possamos nos interagir e ao cruzarmos em uma estrada que pelo menos um olhar brilhante e um sorriso possa ser ofertado.
E assim,a caminhada nos dará a sensação agradável da chegada.

sexta-feira, 27 de março de 2015

Ruínas em São Mateus-ES
Sempre que vejo uma ruína,uma casa abandonada ou uma construção perdida no  meio do nada,fico pensando nos sonhos perdidos pelo caminho.
Parece,que de repente alguma coisa vem do passado para incomodar-me.
Provavelmente são os meus fantasmas e então minha divagação:que saudade é essa de algo que não vivi?
Da alegria,que não senti?
Do amor,que não tive?
Sinto em algumas viagens,que eu consigo sentir a energia do lugar e muitas vezes parece que há sonhos desfeitos,amores perdidos,alegrias esvaziadas.
Realmente não sei explicar,só sei que sinto algo muito estranho.
Deve ser loucura mesmo,pois onde se viu ter saudade daquilo que não viveu?
Fica uma reflexão:que nosso passado não seja uma ruína,por isso façamos valer o nosso presente.


domingo, 22 de março de 2015

O que passou,ficou para trás,mas e o que fazer com o que vem?
Tanto tempo jogado fora,na espera de algo que só existiu em minha esperança.
Como errei meu Deus!
Errei em querer ser feliz.
Errei em aceitar o belo e por ele ficar horas  admirando,enquanto um mundo de armadilhas era construído e eu não via.
Como errei ao ver beleza onde somente havia jogo.
Eu não joguei e mesmo assim ,perdi.
Restou a beleza da imagem,o instante da perfeição.
Mas o que virá depois?
Angústia?
Por enquanto só me resta essa foto e a certeza que da natureza tirarei forças para me encontrar com o criador donde encontrarei respostas.

sexta-feira, 13 de março de 2015


Antes eu me reconhecia nessas paisagens,que me animava,que adotei como minha.
Hoje nada  disso me chama a atenção.
Estou como o poeta romântico,a natureza bela reflete uma tristeza.
Tudo neste mundo passa,sei disso,mas essa dor é tão forte,que chega a doer tanto,que já nem creio nessa efemeridade.
Não se pode entregar,mas estou como um soldado,em uma guerra,diante do inimigo,sem possibilidade de fuga e ainda crendo na bondade do outro.Que tolice!
A solidão não incomoda,mas esse estado de água parada,me incomoda,lembra o mosquito da dengue como tal provoca um corpo dolorido,uma náusea,uma raiva.
Amanhã,sei que tudo mudará.E assim como a natureza, espero também amanhã estar mudada e dar um basta em tantos abusos e destruições.

domingo, 8 de março de 2015

Naquele dia,depois de ler um romance,desses água com açúcar,ela entediada entrou em um chat,para distrair um pouco e de repente alguém a cumprimenta e diz ser de Santos-SP.
O que chamou a atenção dela foi o jeito gentil,que ela percebeu nas palavras daquele desconhecido.
Havia alguém interessante do outro lado.
Ela tinha medo de relacionamento virtual.Para ela não era desse mundo o relacionamento tão distante e próximo ao mesmo tempo.Isso era coisa para jovens,até ela cair nessa armadilha.
Uma pessoa comum,mas ao mesmo tempo falando a mesma linguagem dela,sem falsos moralismos e isso a encantou e ao mesmo tempo a arrepiou.
Nunca pensou ser o que foi.
Sem tons de cinzas,mas com todas as matizes e cores possíveis.
Alguém falava com ela,sem querer algo em troca.
Falavam pelo simples prazer de se entenderem.
Distância?
Ele responde;por que existem aviões,ônibus,carros?
Ela está encantada.
Até quando?
Encantamento é maturidade,diferente de paixão desenfreada.
E ela já pensa em mudar o roteiro de sua próxima viagem.
Mas,por enquanto só o encantamento basta.