domingo, 14 de dezembro de 2014

Não entendo
Não sou uma mulher de Atenas e nem cogito ser,no entanto tenho que buscar o prazer,onde quer que esteja,para oferecer-te como um sacrifício aos deuses.
Não tenho companhia,minha solidão é tão sólida quantos os livros que leio,sem ninguém para discutir comigo,mas tenho que aquecer sua noite fria e ser uma boa companhia desaparecendo com sua suposta solidão.
Não tenho o carinho que preciso e de que gosto,contudo devo traduzir meu sorriso,minha alegria,minha melodia,meu recato para satisfazer seu prazer,sem ao menos ousar em ter os meus.
Não posso ser poeta,nem artesã,nem eu mesma,tampouco posso ousar sonhos falados,pois teu ouvido não está preparado.
Não tenho Parságada para ir,mas vou até a praia que,sempre escolhe,ao bar que te  agrada.
Mas há uma vida que vivo e não sabe.
Amo estar só.
Sem sentir seu cheiro.
Sem ouvir sua voz.
E nesse momento sou feliz.
Sou Diana,caçadora.
Construo um templo enorme,onde cada tijolo é um livro
falo outras línguas,amo esse mundo onde eu sou eu mesma.
E assim chego a uma conclusão:
com você o teatro é menor  e a  artista exibe sua cena,mas comigo mesma a essência fica,sem críticas desfavoráveis, e o meu prêmio chega sempre.
Um público seleto,um ritual milenar,uma heresia talvez,sem vinganças,mas com todo o prazer de ser e viver,de um jeito todo especial e secreto.


Nenhum comentário:

Postar um comentário