segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Morre o escritor e professor Augusto Ferreira Neto


É com pesar que registramos a morte do querido Professor Augusto Ferreira Neto.
Nossa escola o homenageou por ocasião da nossa feira.
Ele não pode comparecer,devido a uma cirurgia, mas ficou sabendo da homenagem.
Ontem ele fez sua passagem para o andar de cima.
Pessoa carismática,culta,exerceu vários cargos na vida pública como:Diretor de recursos humanos do Ministério da Cultura,chefe de gabinete da Secretaria de Estado deMG,Consultor de Administração da UFMG,membro da revista AMAE-Educando,entre outros.
Ficará uma lacuna na cultura de Minas.
Era conhecido por seu sorriso franco.
Nossas condolências a família,especialmente sua irmã Helenice Terezinha,que convive conosco.

4 comentários:

  1. Querido Professor Augusto,

    Ao saber da sua morte, fiquei profundamente triste e mais triste ainda por não ter podido compartilhar dos seus últimos tempos de vida.
    Quando perdemos um amigo, procuramos reter a imagem dele na nossa memória, para que a sensação de perda não seja tão grande. E a imagem que você deixou registrada entre nós é a da sua entrada rotineira na nossa Câmara de Ensino Fundamental, do Conselho Estadual de Educação de MG, sempre de terno, meio amarfanhado, com passadas largas e um sorriso franco, dizendo, alto: “Boa tarde, caríssimas!”

    Onde estará você agora, quando já não nos é mais possível abraçá-lo, conforme fazíamos nesses momentos? Diz a tradição religiosa que, quando morremos, vamos para o céu, desde que tenhamos vivido uma vida virtuosa.

    Ora, pela tradição católica, são suas as seguintes palavras:

    Busco Deus nas minhas raízes mais profundas da fé e nesta busca O vejo plenamente, único e verdadeiro, na minha própria igreja. Aí eu O tomo e faço de meu coração a sua morada. Com todas as limitações que a vida me proporciona procuro dirigir a minha vida pelos seus postulados que se resumem na expressão máxima que ela me aponta como única exigência de vida: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. E só isto me basta!

    Todos nós que com você convivemos, sabemos o quanto você conseguiu colocar essas palavras como prática de vida! Assim, sua passagem desta vida para a outra deve ter sido belíssima e, tal como em Dante, o Amor, que move os céus e as estrelas, traspassou-lhe a alma, como um fulgor, e dela tomou posse. Nesse momento você pode ver o Universo inteiro a sorrir.

    Agora, do lado de lá, reconciliado com a Rosarinha dos seus tempos de namoro, linda e saudável, de mãos dadas, ela o conduz, tal como Beatriz, pelos caminhos misteriosos do Paraíso. Vocês estão felizes. Nós estamos felizes por vocês.

    Adeus, meu bom e querido amigo!

    ResponderExcluir
  2. Obriada Marlene, obrigada Arminda, pelas palavras tao carinhosas sobre meu pai! Abraços, Denise

    ResponderExcluir
  3. anonimo- sentimos muito a falta de Augusto. Colega de ginasio de Inhapim, fui colega de seu irmão Assis no primário e ginasio a quem fui encontrar com pr efeito de duma cidade de Caldas e nunca mais nos encontramos. Augusto foi quase perfeito em tudo que fazia. Cometeu apenas um engano quando diz em seu poema sobre Inhapim que a Penha Ferreira ganhou uma maratona no Rio, mas na verdade foi outrio que nos honrou com esta e outras vitórias em maratonas por todo o brasil tirando o primeiro lugar nacional em recife. No mais foi per feito. Saudades.

    ResponderExcluir