domingo, 26 de setembro de 2010

Pior salário do Brasil alcança liderança em MG


É incrível como Minas avança em termos eleitorais.Deixar que "o afilhado do...",como diz o nobre colega Euler,crescer e com forte tendência a continuar impondo sua vontade ditatorial principalmente na educação chega a ser um abuso.

A verdade é que nós professores estamos perdendo campo para nós mesmos.Um bom exemplo é a cidade de Inhapim,onde vivo,que cada candidato que aparece dos chamados aliados PMDB ePT,estão preocupados em ganhar a eleição individualmente e nem colocam o número de seu governador.Diretórios de cidades vizinhas, não têm "santinhos" do candidato,mostrando que o poder econômico sobressai em relação as ideologias.

O mais absurdo ainda é que professores que deveriam ser conscientizados ,não fazem nada e quando indagados sobre o voto de nossa categoria dizem preferir votar em branco do que fazer determinado número.(Em nome de partidarismo frouxo).

Ainda dá tempo,é preciso arregaçar as mangas,incentivar nossos alunos a repensar papel de eleitor,fazer valer a nossa vontade de mudanças,sair do ostracismo,descer o muro,colocar a cara para bater,deixar de ser água morna,ir à luta.

Colegas,façamos desse momento nosso instante de poder.Que nossa luta não seja vã.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

políticas educacionais?


É incrível como nossos governantes enchem a boca para falar de Educação com qualidade, sem ao menos adjetivar a palavra,uma vez que educação é substantivo e qualidade também , no entanto usam e abusam de nossa língua.
Queremos na verdade educação de melhor qualidade.
A maioria de meus alunos buscam melhorar seus conhecimentos .
Prova disso foi um trabalho que a professora de Química,Luciene,pediu que se fizesse.
Percebi um empenho muito grande e apesar da falta de recursos materiais,eles tiveram a capacidade de improvisar e criar materiais para apresentar seus trabalhos.
Foi preciso pedir telão emprestado,data show e até notebook.
A única coisa que a escola pode disponibilizar foram os equipamentos do laboratório,que por sinal são poucos.
Comento isto,pois nossos alunos que querem aprender,têm apoio de seus professores que por sinal,são excelentes.
O que falta é uma valorização maior por parte do governo em relação aos professores ,e não falo
só de salário ,falo também de estrutura física,pois nossa escola desde que foi construída nunca teve reforma e não foi falta de pedir,pois todos os diretores,sem exceção,montaram projetos ,pediram e nada.
Não temos um espaço para uma apresentação ,mas fazemos o improviso e apresentamos.
Convivemos com salas cheias , sem espaço para nos movimentar,pois a lei exige número enorme
e como nossas salas são pequenas,vão inchando e professor cansa mais.
Outro detalhe é que cada dia uma cobrança maior na parte pedagógica onde o professor precisa seguir o CBC ,com alunos que por incrível que pareça,chegam ao Ensino Médio sem compreender
o que lê.
Temos alunos esforçados como os que citei, de um outro lado recebemos alunos de projetos como
os de aceleração que vieram para a nossa escola,que é só de Ensino Médio,e esses alunos são colocados em salas com o mesmo grau de igualdade.
Não é exclusão,mas a aprendizagem fica comprometida,o professor fica sem saber o que fazer,e o governo cobra números iguais.
A fala governamental ,principalmente em Minas é feita de incoerência.
A maioria de nossos profissionais está doente,precisando de" remedinhos" enquanto que nossos governantes desfilam propostas indecentes fazendo propagandas enganosas .
A verdade é que não estamos preparados para enfrentar esta nova clientela imposta por políticas
do número,quer dizer,apresentar uma maior população com diplomas,sem ao menos ter qualificação para possuí-lo.
É preciso acreditar no potencial de nossos alunos que querem pois fazer o que não quer querer é impossível; e ensinar a cada dia cidadania,mostrando a eles que só a leitura, o envolvimento com a escola é que fará de cada um,pessoas preparadas para escolher seu próprio destino e não esperar por políticas públicas pois a maioria que nos comandam,pensam só nos interesses deles.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Pausa para a poesia

De repente
De repente, dá uma vontade de sair correndo por aí,dá uma vontade louca de gritar paz,de cantar o amor,de abraçar todo mundo.
De repente,dá uma vontade de plantar flores,de distribuir sorrisos,dá uma vontade de amar.
Dá vontade de fazer tantas coisas,de ficar louca para o mundo e as pessoas.
Dá vontade de querer mais,de sonhar com a perfeição e querer mudar.
Dá vontade de ser gente,vontade de possuir as pessoas que mais amamos.
Vontade de tirar todo mundo deste nada e colocar num tudo.
Vontade de ser tudo e nada ao mesmo.
Mas depois tudo passou,a vontade foi se acabando,simplesmente porque eu me acomodei.
Porque foi apagando a chama que me queimava por dentro.
Porque de repente eu cismei em ser feliz,e isso machuca muito,pois descobri que a felicidade não faz parte de mim, já que não a procurei e não a fiz nascer.(escrito em 01 06 1980 )

Espetáculo da vida


Além das montanhas,deste céu alaranjado

muito além da ponte e das águas que vão.


Há um tom neutro a combinar

restos de folhas caídas

pedaço de outuno no inverno.


É o poder da imaginação

nas róseas verdades

das cores do arco-íris.


O som que invade fazendo a dança das cores.
É o azul que se mistura
acinzentando,mudando o tom.
E o alaranjado insiste em permanecer.
Mas neste quadro natural
há vida
há sorriso.
Além das montanhas
um mundo se faz.
Porém aqui tudo continua,
a natureza se enfeita
para o espetáculo da vida. ( escrito em 24 12 1086 )

Mendigos não declarados


Eles vão criando uma paisagem soturna.

Eles vão,qual a imagem dos filhos das trevas.

No negrume da noite se encontram
No Clarão do dia se repelem.
São como cães que rosnam,
São como as próprias curvas do caminho que fazem.
Mas mesmo assim seguem
Não há pontos luminosos
Não há a cor que deseja
Seguem:não veem
São os pássaros das asas partidas engaiolados em suas próprias armadilhas.
Não percebem
Não querem
Se refugiam num ato covarde
Numa atitude imunda
E mesmo assim continuam seguindo,pregando
E eles se enganam
pensam que são humanos
Que pena !(escrito em 30 11 1984)

Borboleta que mora em você

O que fazes agora?
Por que choras?
Qual o seu queixume?
com a vida?
com as pessoas?
Ou com você mesmo?
Queres sair?
voar?
prá quê?
Aonde pensas que vai?
para o infinito?
como?
Tuas lágrimas não te acompanharão?
ou você é simplesmente assim?

Onde estão tuas respostas?
Onde se encontram tuas perguntas?
Não tens respostas?
És a sombra?
O que és então?
A vida? a morte?
ou a lágrima abstrata perdida no concreto de minhas interrogações?(escrito em15 06 1983)

Insejo imortal

É fim de um amanhã
É fim de uma vida
É um ser que se perde no agora
chorando por mais um aurora

É a grandeza de um tudo
seja no princípio eterno
É o olhar do cego
a fala do mudo
a gritar pela paz do agora

Canção que se perde
vida que vai.
É começo de um tudo
princípio de um fim
Sinto a solidão por mim
Enquanto tantos sozinhos estão ligados pela desilusão.

São os olhos que falam
são corações a bater
Mudas de versos sem ao menos conter
É a lembrança do agora,esquecimento do depois
É o mistério de ser
Vida que começa,
canções a nascer (escrito em setembro de 1982)

Vazio Poeta

São noites vazias,buscando em vão tua presença
São partes perdidas na insônia da vida
São sombras da noite, que rompem meu ser
São vidas esquecidas na paz que se perde.

É a presença fúnebre de uma lágrima
É a arma secreta do ser mais alto
É a vida sem vida no mundo de loucos
É a elegia a penetrar na alma humana.

Volta a ser o que era
Sem mesmo saber o que foi
É a eterna ânsia de perfeição
que nunca se aperfeiçoou.

É o mistério das mãos que se estendem
É o mistério de um olhar que se faz
É o mistério de um bailar de gente
ao som da música da paz

É quando se está, não quer
quando quer não está
É um querer sem querer
que mesmo assim faz falta.

Solidão que machuca
Multidão qu apavora
Como fingir se preso estou
Como ficar se tenho de ir embora?

São noites na alma poeta
que vive do sofrer
que sofre para viver
que morre a cada dia
nascendo a cada noite
trazendo em si as condições de uma vida que ele mesmo quis.(escrito em19 02 1982)

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Fidelidade partidária?Onde?

Moro no interior de Minas,Inhapim, onde todos se conhecem.Aqui o tempo parou em relação ao quesito politicagem.(política ainda é utopia).
Temos duas facções que orgulhosamente se intitulam:pica-pau e corta guela.Enchem os pulmões para dizer que é deste ou daquele partido até morrer,pois o avô,o pai,o papagaio, sempre foram e se percebe um orgulho ufanista presente na alma desses meus nobres conterrâneos.
Até aí, tudo bem,cada um faz o que achar melhor.
Quando chega o período eleitoral é um Deus nos acuda.Panelinhas se formam,todos se conspiram,os melhores amigos são do seu partido e por aí vai.
No entanto, os prefeitos vão se alternando no poder e a cada eleição começa tudo outra vez.Quem mora no interior sabe do que estou a dizer.Todavia, desta vez parece que o pessoal do 14x+y estão abandonando o barco e demonstrando que fidelidade só acontece quando não há interesse em jogo e o pior estão enganando o povo com mentiras e indo até ao interior do município divulgando santinhos cujo número não corresponde ao governador do partido.Por outro lado alguns professores da outra ala não aceitam votar no candidato X,pois ele não pertence a sua dita facção.E são instruídos pelos chefes políticos a votarem em branco.Falo de professores que sofreram esses oito anos,que reclamam dos desmandos e agora se negam a votar diferente, em nome de uma politicagem ultrapassada.Fico indignada com alguns profissionais que trabalham no Ensino Médio de minha cidade,local onde deveria ensinar democracia e sobretudo cidadania.
Na verdade a maioria dos funcionários que trabalham comigo estão engajados na luta,preocupados com o destino da EDUCAÇÃO, tão falada pelos políticos em tempo eleitoral e tão esquecida ao longo do mandato,e sem esquecer que qualidade é substantivo e precisa de adjetivo.
Adjetivo esse que faz toda diferença.
Queremos é educação de BOA qualidade,profissionais também.
Aos nobres colegas profissionais da educação,peço que usem da fidelidade que nos moveu durante quarenta e sete dias de luta,esqueçamos facções ultrapassadas e basta destes candidatos que a cada cidade diferente se posiciona também diferente.