quarta-feira, 28 de julho de 2010

voo azul

Sei que não tenho o direito de querer-te diferente,mas procuro-te e em todas as faces em que olho parece haver máscara.
És assim,porém não consigo o teu encontrar,é algo elégico,torna-se até mesmo uma angústia.
Pode até ser uma eterna busca,como um coração inquieto que nunca encontra a âncora e nem o seu porto.
Sei que assim está difícil,é algo novo que quer me fazer parar,porém a minha alma viajante quer ir.
Não tenho o direito de levar-te comigo,não quero fîcar sem você.
Mas aqui não é o meu lugar.
Existem almas errantes a minha procura.
É preciso fazer a escolha,sei que preciso ir,porém fica você.
Ainda não está preparado para alcançar o gozo do voo.
Quem sabe um dia você também se abrirá para o azul...(escrito em 01/12/1986)

Um comentário: